Arquiba Botafogo


            LIÇÕES DE UMA DERROTA

          "Foi o campeonato mais fácil que perdi. Tínhamos a melhor campanha. Mas, na final, faltou o algo a mais. Muitos jogadores falaram que não precisavam voltar pra marcar porque Carlos Alberto Santos e eu faríamos isso".

          Essas revelações foram feitas a mim por Pingo, na noite de sexta-feira, no jantar de noivado de sua filha Thais com meu primo Philippe, na Ilha do Governador. Atualmente técnico dos juniores do Joinville, clube de sua terra natal, o meia fala com carinho do Botafogo. Apesar de ter vestido outras camisas, se declara botafoguense. E lembra que, quando deixou o Glorioso, temia enfrentá-lo. "Os jogadores de outros clubes sempre se preocupavam. Às vezes o Botafogo não tinha um time técnico, mas sempre jogava com muita raça. Foi isso que fiz quando estive lá".

          Pingo jogou no Botafogo em dois periodos. De 90 a 92 e de 97 a 98, cinco anos de dedicação.  "Quando perdemos o Brasileiro, já estava com meu contrato renovado. E o São Paulo veio com uma proposta forte. Mas eu não queria sair," lembra ele. As lembranças se misturam à saudade ao falar de Emil Pinheiro. "Pouco depois do anúncio que o São Paulo estaria interessado em mim, aconteceu um negócio engraçado. Fui ao banco checar meu extrato bancário e notei que tinha dinheiro a mais na conta. Fui checar. E descobri que tinha sido o seu Emil quem tinha me dado aumento, sem eu pedir nada. E ainda ganhei um Kadett branco, um carro de certo luxo na época." Logo depois, Pingo saiu. Ele era o único que pertencia ao Botafogo. E o clube estava precisando fazer caixa.

          Mas Pingo não guarda só más recordações do nosso Glorioso. No campeonato de 97 - aquele dos 100% de aproveitamento na Taça Guanabara - o meia revela que o grupo se reuniu todos os dias, durante um mês, para comemorar a conquista. Pareciam torcedores. Naquele titulo, Joel Santana construiu um pilar, os homens de confiança, como ele mesmo me falou, antes de gravar uma entrevista na GloboNews, no final do ano passado. "Com Pingo, Jorge Luiz, Djair e Ailton, eu ficava tranqüilo em qualquer clube".

          Hoje Pingo, 40 anos completados em 14 de fevereiro, está na sua melhor forma. Vai disputar, a partir de 4 de maio, um torneio de showbol, em Rio das Ostras, pelo Botafogo, ao lado de Ricardo Cruz, Gottardo, Gonçalves, Carlos Alberto Santos, Ailton, Mauricio, Carlos Alberto Dias, Valdeir e Pichetti.

          E por que raios, leitores, vocês devem estar se perguntando, por que raios este blogueiro lembrou de uma das derrotas mais traumáticas de nossa história recente? Simples responder. Aquela foi a derrota da soberba, da falta de solidariedade, da auto-suficiência. Por coincidência, Pingo estava tanto no fracasso de 92 como na conquista de 97. Esta sim, foi a vitória contra tudos e contra todos. Lembram-se da rebolada do Edmundo? Pois é, futebol se ganha com os pés no chão, com humildade e concentração. Como em 89 e 97.

          Pra cima de todos, porque o Botafogo somos nós!

          Paulo Marcelo Sampaio

 



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 22h13 [] [envie esta mensagem] []






          UM CRAQUE NO ESTALEIRO

          Luca, cinco anos, botafoguense como o pai, Carlos Domingues, estuda no Colégio Santo Inácio, um dos mais tradicionais do Rio de Janeiro. Um dia voltou pra casa com o braço todo ralado. O pai quis saber o que tinha havido. O pequeno explicou: "Tava com a bola, um menino me empurrou, caí e ralei meu braço. Aí me levaram pro apartamento médico, papai!"

          O Botafogo somos nós!

          Paulo Marcelo Sampaio   



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 13h17 [] [envie esta mensagem] []






               O  AMOR QUE NÃO SE CALA

          Pode parecer contraditório o que vou afirmar, mas ontem, caros leitores, não senti orgulho dos jogadores que defenderam a nossa camisa. Orgulhei-me de nós mesmos, botafoguenses, apaixonados e otimistas. Está provado que ingressos mais baratos e promoção para mulheres e crianças são capazes de lotar o Engenhão.

          Mas há muito a ser corrigido. O Engenhão ainda não está preparado para receber um grande público. No setor oeste, por onde entrei, várias catracas quebraram. Um tumulto só. Centenas de pessoas chegaram ao anel interno com a bola já rolando. A parceria para a administração do Engenhão é mais do que urgente. Sem ela o Botafogo perde dinheiro.

          Nas quatro linhas o Botafogo jogou pro gasto e garantiu a classificação para as oitavas-de-final da Copa do Brasil. Só nos últimos cinco minutos prendemos a respiração, temendo um desfecho que nos levaria aos pênaltis. Nada mais Botafogo do que isso.

          Muita gente ficou preocupada com o baixo rendimento de Jorge Henrique. Também fiquei. Mas, quem sabe, ele não está se guardando para domingo? Será que ele vai nos dar um presente, como sempre costuma fazer?  

          A cada dia, a cada hora, a cada minuto, a cada segundo, o Botafogo somos nós!

          Paulo Marcelo Sampaio

 



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 12h07 [] [envie esta mensagem] []






            DETERMINAÇÃO, CONCENTRAÇÃO E HUMILDADE

          Caros leitores!

          "A Copa do Brasil é o caminho mais curto pra se chegar à Libertadores!"

          Vocês já devem ter ouvido essa frase antes. Concordo com ela. Como esquecer aquele zero a zero sofrido no Maracanã com Bebetinho na cara do gol, fazendo pose para a cabeçada perfeita? E o campeonato nos escorrendo pelos dedos....

          Acho - acho não, tenho certeza - que depois da perda do campeonato no ano passado e, recentemente, da Taça Guanabara, o Carioca virou questão de honra.

         As rivalidades regionais são um prato cheio no nosso futebol.

         Como lembra bem o meu amigo Mauro Brant, caso haja alguma tragédia logo mais no Enegenhão - e não acontecerá - vaga para a Libertadores se conquista ficando entre os três no Brasileiro.

         Até domingo, três palavras devem ser pronunciadas em General Severiano, ou melhor, na Granja Comary, onde o Botafogo vai se preparar: determinação, concentração e, principalmente, humildade!

         O Botafogo somos nós!

         Paulo Marcelo Sampaio



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 12h54 [] [envie esta mensagem] []






           LIDERANÇA E PERSONALIDADE

          Caros leitores!

          Sofia Armony Sampaio, minha filha querida (foto acima), quer ser atriz. Gosta de escrever, como a mãe. E já tem na cabeça a primeira criação. Já pensa, com as amigas inseparáveis Rosa Marina e Naomi, numa peça de teatro. Mais tarde ela sonha em fazer da peça um filme. O enredo é muito criativo. Só não entro em detalhes para que elas não corram o risco de plágio.

          Sofia tinha quatro anos quando a levei para assistir a um Botafogo e Remo, pela Segunda Divisão, em 2003. Ela pintou o rosto com a estrelinha solitária. Jogo começado, gritos de incentivo, xingamentos ao juiz, e ela com olhos assustados. Na hora dos gols - se não me falha a memória, ganhamos de 2 a 0 - Sossô se assustou com tanta paixão e euforia.

          Demoraria muito tempo para ela voltar a um estádio. Ano passado assistiu Botafogo x Internacional e Brasil x Equador. Faz jazz nas Laranjeiras e é tricolor. Como a mãe. Mas não liga muito pra futebol

          Generosa, sempre me diz que, quando seu time não está em campo, torce pelo Glorioso. Uma figurinha essa Sossô!

          O Botafogo somos nós!

          Paulo Marcelo Sampaio

 



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 10h56 [] [envie esta mensagem] []






            SAUDADES DA MANCHA ALVINEGRA

          Caros leitores!

          No longínquo ano de 1989, cansado do jejum de títulos, decidi agir. Montei um grupo de torcedores em Santa Teresa, bairro onde morava desde menino, para incentivar o Botafogo. Era a Bondefogo-Organização dos Botafoguenses de Santa Tersa. Até camisa tinha. Mas a aventura durou pouco. É que Bruno, um amigo de infância, falou comigo: "Você tem que conhecer o primo de um amigo meu". E surgiu a oportunidade de conhecer Ricardo Fragoso, o primo de Bernardo, amigo de Bruno. Foi no sítio do Papoca, em Maricá. E assim fui cooptado para a Mancha Alvinegra.

          Hoje Edson Alves Jr., um dos líderes da Mancha, me ligou para lembrar que, num 6 de abril, comemorávamos o aniversário da Mancha Alvinegra. Fundada em 1986, a torcida teve 6 anos de vida. Deixou muitas saudades.   

          Como esquecer as ordens - ou as tentativas - de Capeta, nosso presidente? "Édsô, Édsô, vê isso, vê aquilo", dizia ele. Como esquecer as tardes de sábado pintando faixas e bandeiras? E as idas a Caxias, à caça dos morteiros e das cabeças de nêgo mais em conta? E o pânico de André Gordo no Caio Martins, sempre que ameaçávamos jogar um morteiro no bandeirinha? E as caravanas para Volta Redonda, Campos e Belo Horizonte? E minha caminhada feliz com Rogerinho, a pé do Maracanã até General Severiano ainda em ruínas, para pagar uma promessa, depois do título de 89?

          São tempos que não voltam, tempos em que fizemos amigos que nos acompanham até hoje. Ricardo Fragoso, Paulo André Gama, Edson Guerreiro, Anderson, Rogerinho, Fabiano, Romano, Carlinhos Abreu, Capeta, entre muitos outros, estão aí para relembrar esses tempos de felicidade, uma felicidade pura e ingênua, registrada pelas lentes sensíveis do meu amigo Felipe Goifman.

          Parabéns, Mancha Alvinegra! O Botafogo somos nós!

          Paulo Marcelo Sampaio 

 

 



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 18h28 [] [envie esta mensagem] []






           OS RESERVAS DO SAPATO ALTO

          - Vamos lá, Botafogo, isso não é brincadeira não, pô!

          O Botafogo já perdia por 2 a 1 e jogava tão mal que provocou o protesto do pequeno torcedor.

          Já tínhamos visto esse filme em 2007, uma derrota para o Boavista. Mas há entre as duas partidas uma grande diferença. No ano passado, o sapato alto de Dodô e companhia nos tirou a chance de disputar as finais da Taça Guanabara. Ontem já entramos em campo com a classificação garantida. E talvez por isso tenha havido tanto desinteresse. Abedi, Adriano Felicio, Eduardo e outros tantos reservas não aproveitaram a chance de mostrar serviço. Devem se achar titulares: o tal do décimo segundo jogador, como o técnico Cuca já definiu Diguinho. Nada justifica tanta apatia, nada justifica o sapato alto, muito menos de reservas. Já disse aqui várias vezes: a história do Botafogo merece respeito.

          De bom mesmo só o protesto de meus amigos que, liderados por Paulo Andre Gama, estenderam nos camarotes uma faixa rubro-negra com a palavra TRIBUNAL. Era uma denúncia contra o Tribunal de Justica Esportiva, que não observa o equilíbrio: tem sempre dois pesos e duas medidas. Protege nossos rivais e nos prejudica. A Polícia Militar entrou em ação e ordenou que a faixa fosse retirada, alegando que a Justiça não pode ser atacada. Só no Brasil... Mesmo apoiando o protesto, quero lembrar, no entanto, que se não fizermos o nosso papel em campo, não adianta reclamar com Deus, tribunal ou nossos deuses botafoguenses lá no céu.

          Abram os olhos, jogadores - reservas e titulares - porque o Botafogo somos nós.

          Paulo Marcelo Sampaio

Nota: Houve um incidente na arquibancada oeste. Integrantes da comissão técnica da Boavista assistiam o jogo em meio a torcida do Botafogo, sem qualquer proteção policial. Na hora dos gols, comemoravam Isso gerou protesto de nossos torcedores. Um deles quase foi preso. Não existe atrás do gol um reservado para os times visitantes? Por que cargas d'água eles não estavam lá, junto com a torcida? Alô, diretoria, episódios como esse não podem acontecer. O estadio é nosso por vinte anos e não temos que aturar esse tipo de situação.  



 Escrito por Paulo Marcelo Sampaio às 14h42 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, BOTAFOGO, Homem, de 36 a 45 anos, Portuguese, German, Esportes, Livros, Música, História, Política









 
 




1. O passado e o presente do Botafogo FR na visão do meu amigo Roberto Porto, a Enciclopédia do Glorioso!
2. Indico o blog de mais um irmão: Mauricio Thomé Torres
3. Saiba do que acontece no BFR no blog do Movimento Carlito Rocha
4. O blog de José Carlos Araújo, o Garotinho, gênio do rádio
5. Quer comprar livros sobre futebol e com desconto? Visite livrosdefutebol.com
6. Snoopy em preto e branco: o Botafogo no Planalto Central
7. Mundo Botafogo: o Glorioso no Além-Mar
8. Blog do Juca Kfouri, o amigo sem papas na língua
9. O cantinho botafoguense de Rodrigo Federman
10. O politicamente incorreto do Sopa de Tamanco
11. O futebol dos pequenos no site de Sidney Rezende, meu amigo
12. A análise imparcial do meu amigo Gustavo Poli, botafoguense como eu
13. O desenho da política internacional na visão do meu amigo William Waack
14. A análise sempre inteligente de minha amiga Miriam Leitão
15. La Fogoneira, mais um blog botafoguense
16. O futebol da segunda divisão sob o olhar do botafoguense Nelson Siqueira
17. O hóquei no Brasil
18. Mais um blog botafoguense, de Alexandre Zen
19. Blog do Zé Fogareiro, voz das arquibancadas botafoguenses
20. As opiniões do meu amigo botafoguense Fernando Molica
21. Vestiário Alvinegro, a agência de notícias do Botafogo
22. Os retornados, o Brasil na África
23. Literatura e reflexões de Homero Fonseca, torcedor do Santa Cruz
24. A fina flor de Mônica Montone
25. Arena alvinegra
26. Diário da luta em defesa do Botafogo
 
 

Dê uma nota para meu blog